Pré-proposta de Controle Social será apresentada dia 29 de janeiro

25/01/2018

Os representantes designados em assembleia dos TAEs para comporem comissão para implantação do controle social de assiduidade apresentarão à categoria a pré-proposta que vem sendo elaborada.

Restando poucos dias para a entrega do anteprojeto à Administração Central, os membros da comissão de controle social participarão da assembleia geral dos TAEs, a ser realizada nesta segunda, 29 de janeiro, no auditório da reitoria. A Assembleia foi um pedido da própria comissão, atendida pelo Sindicato dos Trabalhadores da UFSC (SINTUFSC).

A comissão

A comissão foi designada pela reitoria da UFSC para elaborar um anteprojeto de controle de assiduidade. Os representantes eleitos em assembleia em 21 de dezembro passado foram ratificados e têm o prazo até 31 de janeiro para entrega do relatório à Administração Central.

André Ruas (HU), Dilton Rufino (CFH), Gabriel Martins (Agecom), Luciano Agnes (Agecom), Luiz Arthur de Oliveira (Numa), Valdenir Lourival Ferreira (HU) e Veridiana Bertelli (Editora) têm realizado reuniões para analisar a situação atual e materializar em uma proposta efetiva os debates que há anos os TAEs têm realizado sobre a proposta da categoria: o controle social.

Histórico da comissão

A comissão foi proposta em dezembro de 2017, quando os TAEs em assembleia foram informados que a Administração Central instalaria aparelhos de controle biométrico de ponto sem qualquer debate com a comunidade universitária e rompendo o compromisso da gestão eleita.

A categoria reagiu e não somente se opôs ao arcaico controle de assiduidade proposto, como também trouxe à tona, como contra-proposta, o projeto que os TAEs defendem há muitos anos: o controle social de assiduidade.

Para negociar com a Administração Central os TAEs primeiro designaram uma comissão para análise do processo do ponto. Neste estudo se constatou que estava equivocada a afirmação acerca de uma decisão judicial que impunha o ponto biométrico à universidade. Com isso, foi apontado nas três reuniões realizadas entre categoria e a reitoria que a universidade não precisava incorrer no gasto de mais de 600 mil reais para tomar a medida, pois não era obrigada.

Diante da necessidade, no entanto, de a UFSC apresentar uma resposta ao poder judiciário quanto ao controle de assiduidade na instituição, a comissão exibiu a concepção do controle social, em que os usuários têm amplo conhecimento das jornadas de trabalho e horários de atendimento de todos os setores e em que as próprias equipes de trabalho elaboram esses horários, em diálogo com a sociedade.

A reitoria, então, reconheceu a superioridade da proposta e aceitou constituir uma comissão com representantes da própria Administração Central e dos TAEs para implantar o novo modelo. No princípio de 2018, no entanto, a gestão recuou no acordo a solicitou aos TAEs que, em comissão somente dos representantes eleitos em assembleia e sem participação da reitoria, elaborasse um anteprojeto a ser debatido posteriormente entre gestão e categoria.

Esse anteprojeto tem sido elaborado desde 12 de janeiro e, após coletar informações e formular a primeira proposta, a comissão dialogará com os TAEs sobre o projeto e as estratégias a serem adotadas pelos trabalhadores para a efetivação do controle social de assiduidade na UFSC.

Assembleia e história

O chamado para a assembleia foi divulgado na página do Sintufsc e está disponível neste link.

Parte da história da comissão está disponível nos links a seguir:

Por que somos contra o ponto eletrônico - de 11/12/17

Os TAEs da UFSC e o ponto eletrônico - de 13/12/17

TAEs podem aprovar o controle social - de 15/12/17

Não precisa ter ponto - de 18/12/17

Assembléia dos TAEs referenda controle social e diz não ao ponto biométrico - de 19/12/17

Comissão de implantação do Controle Social é convocada para primeira reunião - de 04/01/18

Comissão de controle social é oficializada - de 12/01/18



Saiba primeiro das novidades!

Últimas publicações

 

Ao nos defrontarmos mais uma vez com um caso de violência contra uma colega de nossa categoria percebemos que um dos instrumentos de operação dessa violência contra nós é o estágio probatório. E mais uma vez um caso concreto de exoneração de uma trabalhadora expõe toda a nossa vulnerabilidade, pois a forma como estão "regulamentados" os processos...

A campanha contra a exoneração da TAE Juliane de Oliveira da UFSC, chega a um novo ciclo, estamos rumando para um debate de ideias que irá perpassar o Conselho Universitário da UFSC, e em virtude disso apresentamos os depoimento dos colegas que apontam Juliane como uma excelente profissional sendo portanto uma injustiça sua não aprovação no estágio...