Pré-proposta de Controle Social será apresentada dia 29 de janeiro

25/01/2018

Os representantes designados em assembleia dos TAEs para comporem comissão para implantação do controle social de assiduidade apresentarão à categoria a pré-proposta que vem sendo elaborada.

Restando poucos dias para a entrega do anteprojeto à Administração Central, os membros da comissão de controle social participarão da assembleia geral dos TAEs, a ser realizada nesta segunda, 29 de janeiro, no auditório da reitoria. A Assembleia foi um pedido da própria comissão, atendida pelo Sindicato dos Trabalhadores da UFSC (SINTUFSC).

A comissão

A comissão foi designada pela reitoria da UFSC para elaborar um anteprojeto de controle de assiduidade. Os representantes eleitos em assembleia em 21 de dezembro passado foram ratificados e têm o prazo até 31 de janeiro para entrega do relatório à Administração Central.

André Ruas (HU), Dilton Rufino (CFH), Gabriel Martins (Agecom), Luciano Agnes (Agecom), Luiz Arthur de Oliveira (Numa), Valdenir Lourival Ferreira (HU) e Veridiana Bertelli (Editora) têm realizado reuniões para analisar a situação atual e materializar em uma proposta efetiva os debates que há anos os TAEs têm realizado sobre a proposta da categoria: o controle social.

Histórico da comissão

A comissão foi proposta em dezembro de 2017, quando os TAEs em assembleia foram informados que a Administração Central instalaria aparelhos de controle biométrico de ponto sem qualquer debate com a comunidade universitária e rompendo o compromisso da gestão eleita.

A categoria reagiu e não somente se opôs ao arcaico controle de assiduidade proposto, como também trouxe à tona, como contra-proposta, o projeto que os TAEs defendem há muitos anos: o controle social de assiduidade.

Para negociar com a Administração Central os TAEs primeiro designaram uma comissão para análise do processo do ponto. Neste estudo se constatou que estava equivocada a afirmação acerca de uma decisão judicial que impunha o ponto biométrico à universidade. Com isso, foi apontado nas três reuniões realizadas entre categoria e a reitoria que a universidade não precisava incorrer no gasto de mais de 600 mil reais para tomar a medida, pois não era obrigada.

Diante da necessidade, no entanto, de a UFSC apresentar uma resposta ao poder judiciário quanto ao controle de assiduidade na instituição, a comissão exibiu a concepção do controle social, em que os usuários têm amplo conhecimento das jornadas de trabalho e horários de atendimento de todos os setores e em que as próprias equipes de trabalho elaboram esses horários, em diálogo com a sociedade.

A reitoria, então, reconheceu a superioridade da proposta e aceitou constituir uma comissão com representantes da própria Administração Central e dos TAEs para implantar o novo modelo. No princípio de 2018, no entanto, a gestão recuou no acordo a solicitou aos TAEs que, em comissão somente dos representantes eleitos em assembleia e sem participação da reitoria, elaborasse um anteprojeto a ser debatido posteriormente entre gestão e categoria.

Esse anteprojeto tem sido elaborado desde 12 de janeiro e, após coletar informações e formular a primeira proposta, a comissão dialogará com os TAEs sobre o projeto e as estratégias a serem adotadas pelos trabalhadores para a efetivação do controle social de assiduidade na UFSC.

Assembleia e história

O chamado para a assembleia foi divulgado na página do Sintufsc e está disponível neste link.

Parte da história da comissão está disponível nos links a seguir:

Por que somos contra o ponto eletrônico - de 11/12/17

Os TAEs da UFSC e o ponto eletrônico - de 13/12/17

TAEs podem aprovar o controle social - de 15/12/17

Não precisa ter ponto - de 18/12/17

Assembléia dos TAEs referenda controle social e diz não ao ponto biométrico - de 19/12/17

Comissão de implantação do Controle Social é convocada para primeira reunião - de 04/01/18

Comissão de controle social é oficializada - de 12/01/18



Saiba primeiro das novidades!

Últimas publicações

 

Na véspera das grandes manifestações que tomaram as ruas de todas as capitais brasileiras foi assinado o Decreto 9794. A partir desse novo decreto, publicado enquanto ocorriam as mobilizações em defesa da Educação e o Ministro da Educação passava por sabatina na Câmara dos Deputados, o Presidente da República pode designar ou nomear cargos em...

O 15 de maio de 2019 já é um dia histórico! Cerca de 5 meses após assumir o governo e em crescentes polêmicas e suspeitas, Bolsonaro teve nesse dia seu maior revés. Em mais de 200 municípios, incluindo todas as capitais brasileiras, estudantes e trabalhadores da Educação tiveram apoio de diversos sujeitos sociais na luta contra os cortes na...

Adeus ano velho. 2018 foi um dos mais intensos anos de lutas aos TAEs da UFSC. Seu tortuoso caminho foi delineado abruptamente no final de 2017 quando uma série de eventos trágicos marcaram a universidade com uma chaga permanente.