O advogado de Juliane entrega na Prodegesp o pedido para que o processo seja avaliado pelo Conselho Universitário

03/08/2018

APELANDO AO CUN - A trabalhadora Juliane de Oliveira, da UFSC, que recebeu nota 6,96 na avaliação do estágio probatório (o mínimo é 7), sendo que quase um ano inteiro de sua vida laboral não foi considerado, esteve hoje na Prodegesp. Seu advogado Messias Silva Manarim entregou toda a documentação e solicitou que o processo fosse analisado pelo Conselho Universitário, instância maior da UFSC. No estágio probatório dos TAEs não há instância recursal. Ainda assim, no caso de Juliane, os colegas TAEs lutaram e conseguiram com que o reitor aceitasse enviar o caso ao CUN. Agora, espera-se que o conselho maior da UFSC analise o processo e garanta uma avaliação justa. Afinal, se fosse considerado o tempo que Juliane está na DCOM, certamente ela cruzaria a linha dos quatro centésimos. Tanto seus colegas quanto seu atual chefe são pródigos em depoimentos sobre a competência e o compromisso de Juliane. Que venha a Justiça!

Acesse o link:

https://www.facebook.com/palavrasinsurgentes/videos/651651398543532/?t=290